Urosystemlogo.png
Complicação da oncoterapia:
a cistite hemorrágica (CH)

 

A cistite hemorrágica é um nome coletivo para doenças em que a bexiga está inflamada e a sua mucosa está a sangrar. Muitos especialistas rotulam com o nome “cistite” diferentes condições nas quais a infecção bacteriana não está presente porque os fenótipos dessas condições são semelhantes ou idênticos. O sangramento pode ser microscópico (grau 1), visível (grau 2), visível com pequenos coágulos (grau 3) ou coágulos suficientemente grandes para bloquear o fluxo da urina (grau 4).[1] Além do sangramento, os sintomas mais comuns são: aumento da frequência e urgência miccional, noctúria, dor (principalmente durante a micção) e perda do controle da bexiga. As infecções também ocorrem frequentemente como uma complicação.

Algumas infecções bacterianas podem causar sintomas hemorrágicos, mas a maioria dos pacientes responde ao tratamento antibacteriano; portanto, essas infecções raramente levam à HC crónica e/ou recorrente. Certos compostos usados na indústria (por exemplo, anilina e toluidina) podem causar HC também. A condição geralmente deixa de existir quando o paciente pára de ser exposto à toxina.[2] Alguns vírus podem causar HC; no entanto, a condição desenvolve-se principalmente numa idade muito jovem (caso em que desaparece em alguns dias), ou se o sistema imunológico do paciente está gravemente comprometido, por exemplo, após transplante de medula óssea ou renal.[3]

No entanto, as duas situações mais comuns em que surge a cistite hemorrágica estão associadas aos métodos de oncoterapia amplamente utilizados. Pode desenvolver-se depois de quimioterapia ou radioterapia. Portanto, essas condições são frequentemente chamadas de cistite por quimioterapia e cistite por radiação. É importante destacar que a definição de cistite hemorrágica é vaga e existem diferenças entre autores e países; várias doenças são rotuladas como HCs, independentemente da sua causa. Aqui, por este conceito devem entender-se estas duas últimas, condições pós-cancro.

Certos fármacos quimioterapêuticos causam particularmente HC, especialmente compostos de oxazafosforina, como ciclofosfamida e ifosfamida. Esses medicamentos são amplamente utilizados em vários protocolos quimioterápicos, incluindo o tratamento de tumores sólidos e linfomas.[4],[5]

É importante ressaltar que, considerando os 10 cancros mais comuns [6] nos EUA, a ciclofosfamida e/ou ifosfamida podem ser administradas para as seguintes condições (a frequência está entre parênteses): cancro de mama (1ª), cancro de pulmão (2ª), cancro de bexiga (6ª), linfoma não-Hodgkin (7ª), leucemia ( 10). Em relação à leucemia, há 30% de chance de desenvolver cistite como efeito colateral.[7] Além disso, estes não são os únicos quimioterápicos que podem causar HC.

 

Os dados sobre a incidência de HC entre os pacientes tratados com esses medicamentos são controversos; diz-se que a ocorrência está entre 7–53%, cerca de 0,6–15% dos pacientes apresentam sangramento grave.[8] De facto, em muitos casos de tratamento do cancro, o efeito tóxico que o medicamento exprime na bexiga limita a dosagem. A incidência de cistite por radiação é de 11–20% depois da radioterapia da região pélvica.[9]

 

No caso da ciclofosfamida e ifosfamida, os sintomas geralmente ocorrem depois da primeira dose ser administrada e duram 4-5 dias.[10] Por outro lado, certos outros compostos como o bussulfano podem desencadear quimiocistite anos depois da exposição[11], e o efeito adverso de uma radioterapia que se apresenta como cistite por radiação pode ocorrer 10 ou 20 anos depois, também.[12]

As diretrizes atuais enfatizam a importância da prevenção. Hiperidratação, irrigação contínua da bexiga (solução salina, com ou sem alcalinização), oxigenoterapia hiperbárica, administração de mesna (um composto sulfidrila) ou hialuronato de sódio intravesical (para reposição da camada GAG) são os métodos mais comumente usados.[13],[14],[15],[16] No entanto, os dados sobre a sua eficácia são controversos.

De acordo com a maioria das diretrizes, uma vez que a condição tenha sido diagnosticada, o tratamento sugerido depende muito da gravidade do estado (p.ex.[17],[18]). A estabilidade hemodinâmica deve ser mantida em todos os casos, o que torna precisa a transfusão de sangue muitas vezes.

Em condições de hidratação leve, diuréticos intravenosos, analgésicos e medicamentos anticolinérgicos para a bexiga podem ser suficientes. A irrigação contínua da bexiga também é considerada eficaz.

Em casos mais graves, o tratamento intravesical é frequentemente aplicado entre outros métodos. A terapia da quimiocistite geralmente dura alguns dias, enquanto a da cistite por radiação por seis meses ou mais.[19] Há vários agentes conhecidos para prevenir o sangramento. O ácido aminocapróico (que é semelhante ao aminoácido lisina) inibe a ativação do plasminogénio, o que aumenta a coagulação do sangue.[20] Alum (sulfato de alumínio e amónio ou sulfato de potássio de alumínio) causa precipitação de proteínas e diminui a permeabilidade capilar.[21] O nitrato de prata causa coagulação química[22]. A formalina, que é altamente tóxica, usa-se somente se o paciente não respondeu a nenhum outro tratamento; de acordo com algumas diretrizes, a fulguração das áreas afetadas deve ser realizada antes.

 

Nos últimos anos, os terapeutas começaram a concentrar-se nos reabastecimentos da camada GAG também. Ácido hialurónico, sulfato de condroitina e pentosan polissulfato de sódio já foram utilizados na terapia da HC.[23],[24],[25]. Prostaglandina e estrogénios também foram administrados - os resultados, porém, são controversos[26][27],[28].

Administrar reabastecimentos da camada GAG com o UroDapter é definitivamente um método eficaz, independentemente da indicação em si.

[1] https://www.healthline.com/health/hemorrhagic-cystitis

[2] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/628051/

[3] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18519018/

[4] http://chemocare.com/chemotherapy/drug-info/cyclophosphamide.aspx

[5] http://chemocare.com/chemotherapy/drug-info/ifosfamide.aspx

[6] https://www.healthline.com/health/most-common-cancers

[7] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2643320/

[8] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2938536/

[9] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/31201826

[10] https://www.uptodate.com/contents/hemorrhagic-cystitis-in-cancer-patients

[11] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=6576177

[12] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=2403595

[13] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8315426/

[14] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8501819/

[15] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1941060/

[16] https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2051415813512647#

[17] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2938536/

[18] https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2051415813512647#

[19] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK470594/

[20] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1523745/

[21] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3676666/

[22] https://www.uptodate.com/contents/hemorrhagic-cystitis-in-cancer-patients/abstract/102

[23] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20562794

[24] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18751498

[25] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=15476520

[26] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7801847?dopt=Abstract

[27] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=2162975

[28] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=28286609

ENDEREÇO

1137 Budapest, 

Szent István park 26. fszt. 2.
Hungary

ENTRE EM CONTACTO

© 2020 by Urosystem Ltd.